27 de abril de 2016

Ego versus Solidariedade

Imagem/Monica Maeda



Caridade e solidariedade derivam do ego, nos sentimos melhor quando ajudamos, sentimos que somos capazes do melhor quando transpomos o mundo do ter para dar.


Mas o ego deveria ter um limite assim como temos limites para comer, beber, dormir, trabalhar e falar ( o que alguns não sabem o significado de termos dois ouvidos e uma boca).

Sempre e sempre e para sempre continuará que no Japão quando somos acometidos por tragédias alguns compatriotas que correm para "ajudar" no voluntariado fazem questão de postar self e vídeos no momento da coleta de mantimentos ou mesmo na distribuição dos mesmo para mostrar que estão ali se solidarizando com a tragédia alheia. Mas eu pergunto se seria mesmo necessário correr para a o self, para a exposição em redes sociais para dizerem que Eu sou uma pessoa solidária e caridosa.

Precisa mesmo tirar fotos com os mantimentos recolhidos? Tem gente que faz foto sentada em cima das caixas de água para mostrar que água não faltará viu! Ou seria uma maneira de mostrar o quanto o teu leão precisa dos aplausos.

Claro que os estrangeiros que vivem no arquipélago são um povo de atitude solidária também e não querem que o país onde decidimos viver seja devastado por falta de ajuda humanitária, sempre em todos os terremotos , tsunamis etc as comunidades estrangeiras estiveram presente ajudando. Ajudando e selfando.
O Japão um país organizado em pós tragédia mantém a ordem até mesmo em momentos de doação. Tudo controlado, tudo o que entra e sai contabilizado, não se faz nada a revelia, sem uma prévia consulta. Tudo naquela santa paciência nipônica mesmo em situação de emergência e tragédia.

A diferença do ego começa em como ajudar, como por exemplo quando entramos em algum comércio brasileiro para fazer uma doação e alguém pede o teu nome para te marcar na rede social. Já em um estabelecimento japonês quem doar recebe uma caixa de lenço de papel de "brinde" pela doação .Alô!?

Vemos que o "senso de ajudar" tem o mesmo objetivo mas de conotação diversa, como podemos ver acima no início a imagem do Primeiro-Ministro Sr Shinzo Abe vestindo uniforme de operário deixando em casa o clássico terno e gravata quando foi visitar a cidade  de Kumamoto atingida por um grande terremoto na última semana.

Os fiéis pedem ajuda no Facebook depois postam self para Deus. O ego inflado nos adoece, é imperceptível e começa com o Eu e termina no Eu.



21 de abril de 2016

Primavera no Japão é Hanami - 花見

coluna da monica
Sakura / Imagem/ Monica Maeda

Hanami ( 花見 ) significa olhar as flores mas em japonês quer dizer contemplar as flores de sakura, e é a época mais esperada pelos japoneses, a mais adorável de todas porque ocorre na primavera onde a temperatura já não esta tão baixa e pode-se fazer um piquenique debaixo do sakura.


O dia que antecede ao passeio é o dia de preparar  onigiri, a carne, a sobremesa e as bebidas, cerveja não pode faltar.







coluna da monica
Imagem/ Monica Maeda/Pessoas acampam nos parques



A imagem acima por si só ja explica este momento para o Japão, é o momento de relax com a família , um dos poucos que se tem por aqui diga-se de passagem. Para conseguir lugar neste campo é preciso agendar com antecedência ou madrugar para colocar a lona azul  e não se preocupe porque lugar segurado é lugar assegurado, ninguém vem dar uma de "esperto" e tirar a sua marcação  que no geral é com a lona azul clara. 

Total aglomeração, gente por todos os lados , cachorros, crianças mas tudo na sua ordem, na ordem nipônica. Vai subir ou descer a escada? Siga a regra dos carros, se vai vá pela esquerda, se vem venha pela direita. Caso queira fazer o contrário será atropelado. Veja a imagem abaixo.


coluna da monica
Hanami / imagem Monica Maeda

Neste dia aproveitamos para saborear todas as goluseimas nipônica , as barracas vendem de doce a lamen, come-se em pé na boa, no empurra empurra mas estamos aproveitando a paisagem e o clima então mesmo que seja empurrado logo vem um pedido sincero de desculpas o famoso gomen nasai. Como a época é a do Sakura até a cerveja vem em embalagem típica .


cerveja asahi
Imagem/Monica Maeda
O manjyu ,  doce de arroz com sabor Sakura delicioso, e os sabores por aqui variam, tem até sabor chá verde, e a promoção leve 3 e pague 2.

hanami
Imagem/ Monica Maeda

hanami
Imagem/ Monica Maeda


Comer embaixo das arvores, dormir, beber, conversar e esperar a noite chegar.


hanami
Imagem/ Monica Maeda







Tirar uma soneca, namorar... 

parque japones
Imagem/ Monica Maeda

As flores duram por pouco tempo, depende da região e nos locais mais frios elas demoram a florescer e a Coluna da Monica foi até Fukushima mais precisamente em AizuWakamatsu uma cidade  cheia de história, de guerras e tragédias mas acima de tudo linda e simpática e claro um pouco turística por causa do Castelo de Tsurugajyou.

sakura
Tsurugajyou/Imagem/ Monica Maeda




No caminho até o Castelo paramos em outros deslumbrantes lugares que nesta época são os locais mais procurados e eu tentei fazer algumas fotos.


japan
Imagem/ Monica Maeda


Cansou? Perna doeu? A vovó precisa de um andador ou cadeira de rodas? 
Temos tudo , os parques têm a disposição gratuitamente meios de locomoção para quem esta debilitado para que isto não seja desculpa por não poderem usufruir de um passeio em família.




Imagem/ Monica Maeda


Vai chover e você esqueceu o guarda-chuva? Não se preocupe, não se desespere. Na entrada deste parque podemos usufruir deles gratuitamente também e na saída devolvemos.


Imagem/ Monica Maeda



A noite vai caindo dando lugar aos jogos de luzes o mais esperado do dia e o parque fica aberto até as 21:00 hr. E nós fotógrafos amamos essa hora, é correria com tripé, escolher um lugar onde consiga armar esquipamento porque todos querem fazer a mesma coisa, ou seja, fotografar o Castelo.



fukushima
Sakura / Imagem/ Monica Maeda
sakura
Imagem/ Monica Maeda
Para olhar as fotos que fiz  da Primavera no Japão venha até aqui  ou então aqui  . 

Semana que vem tem mais sobre a nossa ida até Fukushima, o que encontramos no caminho e que acredito exista somente aqui.


































8 de abril de 2016

Animais de estimação

animais de estimacao
Imagem/Monica Maeda

Na primeira vez que vi um carro de "bebê"  sem um bebê e dentro dele um cachorro eu pensei que talvez o dono estivesse passeando em outro lugar com a criança e deixou o animalzinho ali dentro para não fugir. Engano meu porque o que eu vi não era um carrinho de bebê e sim um carrinho de cachorro.

Cachorros, gatos e outros animais de estimação no Japão recebem tratamento igual a um filho ou melhor. Muito comum em parques, shopping e ruas os donos passeando com seus animais dentro de bolsas até, como mostram as imagens a seguir.

cachorro

cachorro estimacao


As sacolas que vemos junto aos carrinhos e bolsas são para guardar os "cacos de vidro" que por aventurem fizerem, porque quem deixar o seu pet fazer sujeira na rua pode levar uma multa e ainda receber olhares de fúria dos que  estiverem passando perto e o que os japoneses mais temem é receber um olhar desses e uma possível briga. 

Para se ter um animal de estimação no Japão é preciso seguir algumas regras não porque eles recebem tratamento de gente mas porque eles convivem na sociedade , fazem parte da família , geram receitas, lucros, empregos. Pode-se contar com hotéis para pet caso viaje, diária com direito ao mesmo tratamento recebido em casa incluindo os passeios matinais e noturno. Banho e tosa  podemos fazer por conta pagando na máquina e você mesmo lava e seca dentro do estabelecimento que é tipo um tanque público mas que se paga ou agendar um horário na clínica veterinária e pagar para alguém fazer.

Eles estão por toda a parte porque foram inseridos pela nova geração dos que não tiveram filhos ou não casaram ainda. Número de solteiros e casais sem filhos no Japão fez crescer a procura por pet e talvez logo teremos asilos para cachorros também se continuar a crescer o número dos sem filhos ou solteiros. Não que quem tenha pet não tenha filho ou não seja casado porque as crianças também têm o seu, mas as mulheres japonesas estão mais exigentes, não querem mais serem submissas como décadas atrás onde elas se anulavam em prol de um casamento, então quanto mais tarde casam maior a probabilidade de não gerarem filhos. Ao contrario de outros países , a mulher japonesa não costuma engravidar depois dos 35 porque sempre gera um risco de saúde para os dois no pensamento deles. Eles preferem engravidar antes dos 35 porque dizem que se tem mais saúde para aguentar uma gestação do que aos 40. E para quem não pode ter ou não quis existe a opção da adoção mas isto também os japoneses não são muito adeptos de criarem um filho que não seja o deles  e por isso o país abriu a adoção de crianças para estrangeiros.

Tudo isso contribui para o crescimento da indústria pet no país e cada vez mais os animaizinhos ganham o seu espaço na Terra do Sol nascente.




3 de abril de 2016

Yoroshiku onegai shimasu!

Imagem/Monica Maeda

Como já mencionei aqui neste post  os novos vizinhos que chegam nos fazem um cumprimento trazendo algum presente para se apresentar e a frase mais usada é よろしくお願いします (yoroshiku onegai shimasu ) e quer dizer "conto com você assim como você pode contar comigo. Esta frase é a mais usada até mesmo quando pedimos um favor ou pedimos a colaboração de alguém . Viram como nos tratamos de forma polida? 

A nova vizinha veio se apresentar e nos trouxe uma toalha, é apenas uma lembrança, uma forma de se fazer chegar até as pessoas para cumprimentá-las. 




Imagem/Monica Maeda

A saudamos com alegria porque esperamos que a nossa convivência como vizinhos seja pacifica , cada um no seu quadrado com respeito. Isso não quer dizer que entramos e saímos da cada dos vizinhos , geralmente as pessoas conversam do lado de fora da casa e quase não se convidam a entrar porque presumi-se que estamos todos atarefados e fazer uma visita sem aviso prévio é uma falta de educação para os japoneses. Se quiser ir à casa de um amigo para uma visita devemos telefonar antes se não fomos convidados pelo próprio porque pode ser que na hora que queremos a pessoa não esteja em casa e bater com a cara na porta os japas não curtem não.
No mais a convivência flui entre bom dia e boa noite, todos trabalham e o retorno ao lar depois do trabalho é querer encher o ofuro e ficar ali alguns minutos relaxando e se vem um amigo desavisado nos pega de surpresa em meio ao banho e corta aquele momento único do dia de relaxamento. 

Portanto no Japão se mudar de casa vá até os vizinhos mais próximos e leve algo como forma de cumprimento para dizer que a partir daquele dia você fará parte do bairro ou da rua e espera contar com a colaboração de todos, esta é uma das regras da boa convivência entre os japoneses.

Quando a culpa é do consumidor

A imagem acima se refere ao e-mail que me foi enviado em 22 setembro 2017 pela eduK em resposta aos e-mails enviados em datas anter...