31 de julho de 2016

O silêncio noturno nipônico

A noite japonesa fora da agitada Toquio



A noite japonesa fora da agitada Toquio, Shibuya depois das 10 da noite é calmo, escuro e com pouca gente na rua .
Na estação de trem ninguém , compra-se o bilhete na máquina . O painel informa o horário de chegada e partida do trem. Ninguém se atreve a passar sem colocar o ticket, as câmeras por toda parte inibem possíveis atos. 




Imagem Coluna da Monica/ Estação de trem em Nogi

Apesar de aparentemente não haver ninguém, caso alguém tente passar e pegar o trem será pego na próxima estação . As câmeras de segurança nas estações nos dias de hoje ajudam a polícia em investigação de suicidas que vem a estação para se jogar debaixo do trem em movimento, já houve casos da pessoa jogar passageiros que estavam aguardando a chegada do trem na estação de Ueno e quando este se aproximou a pessoa empurrou passageiros para debaixo do trem. 



Imagem Coluna da Monica/ Posto policial na cidade de Nogi

O posto policial  também é tranquilo no período da noite, 2 policiais cuidam da nossa segurança . 

Caminhar a noite pelas ruas depois das 10 você ouve a própria respiração se duvidar . E caso bata uma fome compre um chocolate ou batata frita com suco, água ou café na máquina de bebida e se observar bem a foto verás que um pequeno sapo se aproveita da iluminação  da máquina . Eles ficam ali e ninguém tenta retirá-los porque a convivência é pacífica até mesmo com eles.

Imagem Coluna da Monica

Não se tem muito o que fazer na rua, crianças não brincam na rua nem de dia nem a noite mesmo no verão . Caminhadas com cachorros são na parte da manhã cedo e no final da tarde. Nem os cachorros latem , até eles fazem silêncio. Talvez seja bom dentro do costume japonês, talvez eles sintam que cada um na sua casa no seu quadrado seja o melhor, a falta de comunicação e interação parece não afetar diretamente o convívio mesmo entre um sapo e um humano há o bom convívio mesmo que seja falso e destoado da realidade.



24 de julho de 2016

Japoneses limpam a rua que passam e a calçada que sujam no Matsuri



No Japão é tempo de Matsuri, uma festa parecida como a festa junina brasileira que aprendemos com os europeus quando da sua passagem na nossa colonização  onde se comemora e agradece a colheita, a chuva  o tempo e os santos . Claro que a maioria já esqueceu o significado da festa junina e pensa que ela se refere somente a comer pinhão e tomar quentão . Crianças visitem o tio Google para maiores informações .


Mas o que vimos de diferente nesta festa? A comida? A dança ? Não , não foi somente isto, foi muito mais . Foi a organização sobre a limpeza e bons modos durante e depois da festa.


Imagem Coluna da Monica

Para não sujar a calçada eles colocam uma lona no chão e antes de usar o espaço onde a rua é fechada para a festa eles pedem licença , cumprimentam o dono da casa ou estabelecimento avisando que vão usar aquele espaço . Assim quando a festa acaba a rua e a calçada permanecem limpa como se nada tivesse acontecido porque como já falamos aqui, no Japão cada um cuida do seu quadrado e não temos gari para limpar o lixo público . Cada um limpa o que sujou.

Estamos falando de uma festa da cidade, não é uma festa particular . Então vemos que o senso do dever de cidadão começa com essas atitudes. 




22 de julho de 2016

Uma semana atípica



Coluna da Monica



Esta semana algo que chamou a atenção, quero dizer, muitas coisas me chamaram a atenção mas este em especial. Um filme sobre um livro de nome Como eu era antes de você , e eis que fui ver do que se tratava. Não, eu não li o livro e fui direto ao filme. Alias o filme caiu no meu colo porque eu já o havia procurado no cinema e depois subitamente lembre-me que isto aqui é um país de primeiro mundo de qualquer coisa menos de lançamento de filmes. Visto que no Brasil o filme foi anunciado para junho/2016 todos pensam que no Japão o filme já esta sendo assistido desde o ano passado? Nada crianças , aqui certas coisas demoram também viu! Reclama não do teu país que tem lugar "menos melhor".


O filme caiu mais precisamente em alguma postagem de algum amigo de amigo que curtiu a portagem e apareceu na minha timeline. Era um vídeo e o abri. Não acreditei que se tratava do filme, esperei para ver o que apareceria, se era algo chamando a atenção para um outro tipo de vídeo e para minha surpresa e "alegria" não era; era o próprio filme. Mas depois de alguns minutos acredito que foi retirado do facebook porque nós sabemos que não é o mais correto com o autor, atores, direção e tudo que envolveu fazer este filme. Um desrespeito ao trabalho alheio, ainda mais que estamos num mundo onde nem o cachorro abana o rabo de graça , não podemos retirar os frutos do trabalho de outros que nos proporcionam prazer. 


E de novo outro dia me aparece em outra postagem outro vídeo e abro novamente e desta vez o vejo até o final e para minha sorte não era dublado. Desrespeitei o trabalho de vocês e estou procurando um lugar  onde possa comprar o filme. Eu não gosto de filme dublado, ao contrário da Lou que até conhecer o Will só assistia filme dublado. 


Devido a minha carga horária fico dias sem acessar algumas redes sociais onde procuro interagir, as vezes o faço sozinha porque quem perdeu a noção dificilmente vai encontrá-la, e me refiro a quem perde a chance de rir, de trocar experiências , de trocar conhecimento num mundo que criamos , o mundo virtual.  O mundo virtual que aproxima os que estão longe , aproxima os desconhecidos , lança o ódio, a ira e o amor. Tudo ao mesmo tempo . 

Observadora e sensível, entendi o que o Will quis fazer e talvez eu quisesse o mesmo que ele caso me encontrasse na mesma condição. E a frustração maior das pessoas e até dos atores quando leram o livro foi sobre o final. Todos querem um final feliz com lágrima de felicidade e o filme traz um final feliz somente para uma pessoa . E a mensagem dele para Lou era que ela vivesse a vida, que não se privasse , que curtisse cada momento e que deveria viver a sua vida e não a vida dos outros e por outros.  Que a vida pode ser curta ou não, mas que devemos vive-la.

Eis que me peguei olhando para a minha vida e analisando o que tenho feito por mim , o que tenho feito pela minha felicidade? O que faço para melhorar meus dias de terráquea ? 

E você depois de assistir o filme assim como eu ou não também vai refletir sobre você mesmo? O que tem feito por si? O que faz para melhorar seus dias na Terra. Acho que já fiz esta pergunta neste post 



Hoje  é um dia atípico , falei em primeira pessoa e não se acostumem porque meu ascendente em escorpião não costuma se mostrar ao público, mas fui afetada pela lua em peixes que passa pela minha casa 5 e pelo meu estado febril que vem sempre depois que deixo ervas daninhas entrarem no meu jardim.

E aproveito para dizer que li o livro seguinte da Jojo , Depois de você. Só recomendo a leitura para quem leu ou viu o filme Como eu era antes de você e deixo uma dica , que fique claro que é o que eu acho e não o que está escrito no livro: acho que vai ter continuação do filme.






13 de julho de 2016

Como comprar tomates em locker

Comprar tomates


Imagem/ Monica Maeda

Tomates para todos os gostos, sucos, sopas, com queijo, sem queijo, pequeno, médio ou grande; mas nunca verdes. Aham! Os tomates no Japão chegam aos super mercados quase em ponto de purê e aqui o chamamos de tomato (トマト). Purê porque como podemos observar nas imagens seguintes eles são vendidos muito maduro, e aquela esperança de encontrar um meio verde, meio vermelho, um pouco menos mole para uma salada, esqueça porque é como procurar agulha em palheiro. São sensíveis em relação a altas e baixas temperaturas do arquipélago apesar dos cuidados em estufas. 

Dificilmente o encontramos em quilo e sim em unidade nos mercados  , dentro ou não de sacos plásticos e também o compramos em máquinas de self service onde colocam-se moedas. Os preços variam entre 300 e 500 yen e não difere dos preços dos mercados, aliás uma coisa que não se muda muito de loja para loja  são os preços, seja lá do que for no Japão. 

Imagem/ Monica Maeda


Esta máquina está num local de muito movimento, não tem funcionário, caixa ou um guarda. Quem quiser comprar pode estacionar ali mesmo , colocar as moedas e levar. Na verdade não são máquinas e sim locker ( armário onde se guarda pertences e o encontramos facilmente em hotel  tipo hostel, bad&breakfast, estações de trem, aeroportos e lojas de departamento)e basta que se coloque moedas no valor pedido.


Imagem/ Monica Maeda

Como esse locker não conta com refrigeração, eles são abastecidos diariamente e cada produtor coloca o seu nome ou telefone para contato caso alguém queira mais ou até mesmo para fazer alguma observação em relação ao produto, "vulgo reclamação".

E você ai na tua cidade o que tem de diferente ? Conte-me!





Quando a culpa é do consumidor

A imagem acima se refere ao e-mail que me foi enviado em 22 setembro 2017 pela eduK em resposta aos e-mails enviados em datas anter...