Uma doença chamada Amor




Coluna da Monica


Japão/Tóquio meados de 1.954 .

Kazuo completa o high school e logo entra a Universidade, é o segundo filho do total de 4 irmãos, segundo filho mas o primeiro homem a nascer então ele seria o 長男 (ちょうなん)o filho mais velho , o herdeiro direto, o responsável pelos pais, o príncipe herdeiro. Não ria! Cada qual com o seu qual. 

Feliz por ingressar na universidade mas ao mesmo triste porque para trás ficaria Yumiko, uma jovem bonita  de olhos grandes redondos e sorriso largo , 2 anos mais jovem e que ainda cursava o ginasial e neste período Tóquio inaugurava uma nova linha de metro porque passados 10 anos da segunda guerra mundial o país vivia um boom de expansão e construiu mais escolas e numa dessas Yumiko teria que ser transferida para uma outra escola; mais longe da vista de Kazuo.

De estatura baixa, tímido e de família tradicional , Kazuo teve vergonha, receio e pavor de tentar se aproximar mais de Yumiko , timidez esta que o atormentou toda a vida, a pedra no seu caminho sempre foi a falta de segurança e  naquela época mulheres eram para um lado e homens para outro e casamentos eram arranjados pelos pais. Os pais decidiam com quem seus filhos casariam. Pare de rir!

Tentou por diversas vezes tirar uma foto junta a ela quando estavam todos juntos , porque formavam um grupo de amigos de mesmo bairro e mesmo escola, tinham quase a mesma idade e às vezes sentavam ao redor  da mesa para conversar e numa dessas sentadas ele lembra com os olhos brilhantes de como se fosse hoje a cena: ela sentada no tatami com a saia aberta em forma de uma flor , cabelos preso em forma de rabo de cavalo e quando ele chega ela abre o sorriso , ele com vergonha olha para os lados e não havia mais ninguém mas por receio de conversar a sós com Yumiko a deixa sozinha. E essa imagem ele carrega no coração mesmo passados 62 anos.

Kazuo entra para a Universidade de Medicina ,  passados alguns anos ele perde contato com seus ex colegas de bairro, tentou saber algo de Yumiko mas não obteve êxito. Acho que faltou mais perseverança da sua parte mas deixemos de lado.

Formado, segue caminho sem ainda se casar, e aos 30 anos seus pais o pressionam para que se case logo e ali começou a caçada. A sua família saiu de Fukushima para Tóquio então haviam primos e tios ainda na cidade e vez em quando ia passear por lá.  Em um passeio o primo a apresentou a sua futura esposa. Era preciso casar logo então se não tem tu vai tu mesmo.

Agora uma moda nova no Japão copiada de fora obviamente, é o famoso encontro de ex colegas de classe. A cada 15 anos marcam um encontro da turma . Aqui começa o perigo...

O amor que adoece 


Em 2015 foi chamado para o encontro que seria o ultimo deles visto que todos tem 80 anos ou mais e eis que vieram todas as lembranças e seus corpo não aguentou o stress e adoeceu. Vertigens e dores no ouvido, seus filhos e nora correndo com médico e hospital, chamou ambulância uma vez por achar que ia morrer.  No hospital falam que não há doença. Cancela-se o encontro esta acamado não consegue caminhar direito, sente tonturas então desiste de ir ao encontro com seus ex colegas e ela estaria lá. Ok, o organizador do encontro decide então marcar mais uma vez para o ano de 2016 porque Kazuo não pode comparecer no de 2015. 

2016 outubro é a nova data do encontro e em junho Kazuo adoece por causa da coluna. Não caminha, consequentemente não dirige mais, para de jogar golfe seu esporte predileto,  são idas mensais ao médico para consulta e pegar toneladas de remédios. O médico fala que a dor vai cessar, que não há como fazer uma cirurgia por causa da idade e do coração que já apresenta problemas desde os 60 anos.  Final de setembro Kazuo apresenta sinais de depressão, a nora o alerta ele concorda em termos mas acha que esta muito velho e que sempre foi muito fraco tanto fisicamente como emocionalmente.  A depressão piora, telefona a nora pedindo socorro, vai ao hospital e nada. A noite passa mal, acha que o coração vai parar, chama a nora que o manda chamar a ambulância. Ambulância chega , os filhos também e nora segue na ambulância junto para ajudar nas respostas do médico até chegar ao hospital.

No hospital o diagnóstico? Nada! Senhor Kazuo o senhor está muito bem de saúde. Voltam todos para casa e algo o remoia por dentro.

A nora casada com seu filho mais velho é a sua melhor amiga e claro ele é o melhor amigo dela. Confessa então a sua amiga o que o deixa doente. o reencontro com Yumiko o adoeceu, suas pernas tremem só de pensar em rever aqueles olhos grandes redondos e o sorriso largo. Chora como criança e abre o seu coração, fala do texto que ensaiou para dizer a todos que quando jovem era apaixonado por Yumiko e todos deveriam rir. Pegou fotos antigas onde estavam juntos para levar ao encontro e mostrar que até hoje pensa naquela época, naquela turma. Sua nora pergunta porque não desistiu? Por que faz o fraco? Por que desistiu de ver pela última vez o sorriso largo e os olhos grandes ? Ele responde que não importa , porque o que ele precisa ver esta dentro do seu coração porque ele ainda tem a imagem da jovem sorrindo para ele quando tinha 18 anos. 

Confessado isto, começa a melhorar, volta a comer e andar. Fala aos filhos e se sente mais aliviado. Decide então que mesmo se sentindo bem não deve ir ao encontro para não adoecer novamente, confessa que é um fraco por não conseguir enfrentar um rosto velho mas que na sua mente é ainda daquela jovem linda dos olhos grandes arredondados e de sorriso largo. Isto ele repete varias vezes  no meio da conversa.

Hoje Kazuo saiu de dentro de casa e foi até o jardim para ver os preparativos do corte da grama que sua nora falou que fará para ele , promessa esta feita quando estava na cama dizendo que preferia morrer logo porque ja havia passado dos 80 . A nora falou que faria mas que precisava da sua ajuda para ensinar a mexer na nova máquina de corte. E hoje ele prontamente foi ver o que deveria ser feito, terminado isso ligou para a nora para dizer que estava tudo pronto , tudo ok para a jornada de cortar grama na próxima semana. 

O amor que adoeceu o renasceu, o amor que não morreu e não se esqueceu. Do amor que nasceu de um sorriso , de um olhar. O amor adoece e pode matar e talvez quem morra , morra feliz.



*os nomes verdadeiros foram trocados mas cada virgula da história foi relatada pelo próprio "Kazuo".


Postagens mais visitadas deste blog

Dia de finados no Japão

Astrologia Karmica